Pesquisar este blog

24.6.17

Câncer. Você tem o direito de saber.

Você tem o direito de saber. O tratamento, o porquê dessa escolha, quais as medicações, como elas atuam, quais as reações adversas possíveis (mesmo as improváveis), quais as sequelas possíveis (mesmo as improváveis), quais as sequelas certas.

Você tem o direito de saber se há outras opções de tratamento. Você tem o direito de escolher assim como tem o direito de arcar com as consequências, positivas ou negativas, das suas escolhas.

Você tem o direito de saber seu prognóstico, bom ou ruim. Você tem o direito também de escolher não saber. E cabe sim ao médico respeitar e atender sua decisão. A vida é sua, não é dele.

Você tem o direito de saber sua expectativa de vida. Você tem o direito de escolher não saber sua expectativa de vida. Com ou sem câncer, você tem sonhos, projetos, possivelmente uma família ou amigos, uma vida enfim. E tem todo o direito de saber quanto tempo ainda tem e se tem para se planejar e deixar tudo como você quer. Você tem o direito de gerir a sua vida e só com informação e informação correta você poderá fazer isso de forma eficiente, eficaz, satisfatória e, por que não, prazerosa.

Você tem o direito de saber. Você tem direitos. Você. É a sua vida. Exija.

Inca RJ
Praça Cruz Vermelha, 23 - Centro - 20230-130 - Rio de Janeiro - RJ - Tel. (21) 3207-1000

Inca SP

Onde tratar pelo SUS

Disque Saúde
136


4.4.17

Mexeu com uma mexeu com todas. Chega de assédio!

#chegadeassédio #MexeuComUmaMexeuComTodas Uma denúncia que não é anônima, feita através de uma coluna em um jornal que concedeu o direito de resposta no mesmo espaço e junto, e que conta com o suporte imediato de colegas da denunciante e de profissionais de todas as áreas, inclusive advogadas, está longe de um linchamento virtual. Não tem qualquer relação com linchamento virtual. Aos meus amigos e conhecidos homens e minhas amigas e conhecidas mulheres que ainda reproduzem machismo e que criticam feminismo sem saber do que se trata sugiro que se informem, que reflitam e, principalmente, que aprendam a ouvir. As mulheres estão finalmente falando. Ouçam. E não, não pensem que "podia ser minha mulher ou minha filha". Suas mulheres e filhas não devem ter privilégios, prerrogativas ou mais direitos que as outras mulheres. Pensem que são seres humanos como vocês e que têm que ser respeitadas.
Tem que botar a boca no trombone sim! De forma responsável, com suporte, com orientação legal para não virar o algoz da história. Mas tem que por a boca no trombone sim!