Pesquisar este blog

15.8.07

Silêncio de Girassóis, de Bruno Cattoni. Lançamento dia 22 de agosto de 2007


"DONA EDITH THOMPSON HOMEM MANTÉM, há dezoito anos,
a 'Creche Comunitária dos Girassóis', no Morro do Céu, comunidade
pobre de Niterói. A creche atende em tempo integral os
filhos dos catadores de lixo de um aterro sanitário. Eles ganham
comida, roupa, calçado e reforço escolar.
Moradora de Viçoso Jardim, bairro vizinho ao vazadouro,
D. Edith acompanhava diariamente o drama dos catadores quando,
em 1989, resolveu arregaçar as mangas e, por conta própria,
começou a trabalhar para oferecer mais dignidade às famílias. D.
Edith criou, então, a creche que chamou de 'girassóis' – a única
flor que nasce no lixo.
As crianças entram na creche às oito horas da manhã. Às
cinco da tarde, de banho tomado e alimentadas, elas aguardam a
chegada dos pais para voltarem às tendas do lixão, onde dormem.
A creche fornece quatro refeições por dia: café-da-manhã, almoço,
lanche e jantar.
Apesar do apoio que a instituição oferece às famílias, muitas
crianças foram abandonadas na Creche dos Girassóis. Alguns bebês
D. Edith recolheu nos arredores do vazadouro, dois ela adotou.
Lucas foi esquecido num caixote de papelão. Grampola estava
deitada no peito de um homem bêbado – ambos dormiam na
lama, sob uma tempestade."

Essa é a razão de ser do livro Silêncio de Girassóis, de Bruno Cattoni.

O livro conta, num longo poema ( 2.300 versos) a saga de D. Edith Homem, uma mulher que resgatou mais de mil crianças que trabalhavam ilegalmente nos vazadouros sanitários. O prefácio é do poeta amazonense Thiago de Mello, autor d'Os Estatutos do Homem.

O poeta, jornalista e ativista dos direitos humanos Bruno Cattoni prepara a terceira edição do Festival Poesia Voa, no Circo Voador, e está trabalhando com o Fórum Social Mundial, na realização do próximo evento do Fórum, o Rio Com Vida, em janeiro no Rio.

Bruno é editor de textos da TV Globo e membro da Ong Movimento Humanos Direitos (Mhud)


O quê: Lançamento de Silêncio de Girassóis, de Bruno Cattoni, Ed. 7 Letras.
Quando: 22 de agosto de 2007, quarta-feira, 19h.
Onde: Livraria da Travessa
Rua Visconde de Pirajá 572, Rio de Janeiro



>> Até a véspera do lançamento é possível fazer o download gratuito do livro, no site do poeta: www.brunocattoni.com

2.8.07

Vai na fé, Reynaldo!




Parte de Mim

uma parte de mim se reparte
uma parte fica triste
outra parte se alegra
uma parte se une
outra se desintegra
quando uma parte se pune
outra parte se perdoa
quando uma parte trabalha
a outra só fica atoa
uma parte de mim se desloca
outra parte se aninha
tenho uma parte de anjo
e outra parte daninha
parte de mim considera
outra parte debocha
parte de mim é mais fraca
a outra parte uma rocha
uma parte enxerga tudo
a outra tem miopia
parte tem um bom guia
parte se perde a toa
parte de mim é o diabo
mas, a outra parte é tão boa.


Reynaldo Sanches nasceu em São Paulo e cursou a Faculdade de Odontologia da USP.
Veio para o Rio em 1971. É membro da APPERJ, diretor suplente de Comunicação Social do Sind. dos Escritores do Rio de Janeiro. Tem participado dos mais importantes saraus e eventos de poesia da cidade. Tem poemas publicados em várias coletâneas. Lançou em novembro passado
o livro PAGANDO MICROS, uma obra de micro-contos,
juntamente com mais dois escritores: Antonio Gutman e Fernando Sá.
Hoje foi embora.