Pesquisar este blog

7.1.16

"Cadê meu celular? Eu vou ligar pro 180"


CONTRA O FEMINICÍDIO  E A VIOLÊNCIA DOMÉSTICA LIGUE 180


(Para ler ouvindo Elza Soares cantando Maria da Vila Matilde*)
A skatista Giselle Alves foi assassinada no dia 30 de dezembro de 2015 em Paraty, de acordo com blogs e sites internacionais. A nossa imprensa não nega nem confirma, por enquanto. No dia 1 de janeiro já havia matérias em sites no exterior identificando fato e vítima. Aqui deram a notícia identificando a vítima como "uma mulher". Não falam sobre suspeitos e o crime é resumido como "pancada na cabeça". Em um único parágrafo conferiram invisibilidade a Giselle reduzindo-a à "uma mulher" em vez de a skatista brasileira reconhecida no país e no exterior Giselle Alves.
\
Natural é se perguntar por que no Brasil a notícia está praticamente escondida. Afinal, Giselle é uma skatista brasileira famosa. As notícias publicadas no exterior e comentários em redes sociais chegam a apontar um suspeito, caracterizando o crime como violência doméstica. Considerando que as investigações mal foram iniciadas, uma imprudência. Se lá foram imprudentes, aqui parecem não se importar. Os questionamentos e a desconfiança fazem sentido uma vez que, em 2013, 4.762 mulheres foram assassinadas no Brasil. Em 1980 foram 1.353. Mais do que o triplo em 3 décadas (fonte: Mapa da Violência 2015: Homicídio de mulheres no Brasil). Mesmo com Lei Maria da Penha, com as Delegacias Especializadas de Defesa da Mulher (veja aqui a relação por estado) e campanhas como Ligue 180, da Central de Atendimento à Mulher.

O assassinato de mulheres tem uma particularidade especialmente perversa que é um segundo assassinato cometido logo em seguida, o do caráter da vítima. Culpam a vítima!

Ângela Diniz foi assassinada por Doca Street em 1976. Não sei onde encontrar dados sobre aquele período. Mas o que importa é que não foi o primeiro assassinato do tipo e está longe de ser o último. Doca foi condenado, no segundo julgamento, à 15 anos de prisão mas cumpriu apenas 3 e teve direito a liberdade condicional. Em entrevista dois anos após o assassinato o pai de Doca faz insinuações sobre o caráter de Ângela (sempre culpam a vítima) enquanto a mãe de Ângela fala o óbvio, que até hoje não é ouvido: "Ela tinha direito de fazer da vida dela o que ela quisesse. Ela tinha direito de não viver mais com esse homem, que ela não queria viver mais com ele. É um direito que ela tinha. E ele quer fazer acreditar que a matou por amor. Por que que ele não morreu também por amor? Por que que ele não dividiu a crueldade?"

No primeiro julgamento Doca foi condenado à apenas 1 ano e meio de prisão, mas conseguiu sursis e já saiu  do fórum em liberdade e aplaudido. As pessoas na rua, homens e mulheres, declaravam para repórteres sua satisfação com a liberdade do assassino. Apenas duas mulheres se declararam contra.

Essa era e continua sendo a cultura no país em relação à mulher: apenas um objeto, sem direitos, nem mesmo o mais básico de todos, o direito à vida. A claque na porta do fórum aparentava concordar com o escritor (adjetive como achar mais adequado) Carlos Heitor Cony, que declarou, na época:

‘Vi o corpo da moça estendido no mármore da delegacia de Cabo Frio. Parecia ao mesmo tempo uma criança e boneca enorme quebrada… Mas desde o momento em que vi o seu cadáver tive imensa pena, não dela, boneca quebrada, mas de seu assassino, que aquele instante eu não sabia quem era’.

Doca só teve um segundo julgamento porque a reação popular (especialmente de feministas) foi negativa frente a uma condenação branda e substituída por liberdade. O julgamento foi anulado e ocorreu então o segundo.

Agir. Agir é o que traz mudança.

Passaram pela mesma tragédia do assassinato físico seguido do moral as famílias de Mônica Granuzzo e Daniella Perez. O pai de Mônica chegou a ser chamado de palhaço pelo juiz que conduzia o caso que, não satisfeito, mandou que a segurança o retirasse do recinto. Sobre Mônica falou-se até que era travesti - como se isso fosse uma ofensa. O assassino de Mônica, o ex-modelo Ricardo Peixoto, hoje dá aula na praia de Copacabana. Brilha vivo sob o sol.

Com Daniella Perez não foi diferente: culparam a vítima e foram além, culpando sua mãe, que estaria exibindo a filha na novela.

Glória Perez agiu. Recolheu 1,3 milhão de assinaturas, conseguindo que homicídio qualificado se tornasse crime hediondo. Há discussão se foi ou não iniciativa popular, se deveria ou não ser hediondo, se a privação de liberdade é solução mas, convenhamos, discussões irrelevantes. Relevante é a lei só ter se debruçado sobre o assunto quando assassinaram uma atriz famosa e branca, filha de uma diretora de tv famosa e branca. Que bom que a repercussão trouxe resultados positivos para as mulheres em alguns casos posteriores ao de Daniella perez. Mas não podemos ignorar que entre 2007 e 2013 o aumento de assassinatos de mulheres negras aumentou em 54% e o de mulheres brancas, no mesmo período, diminuiu em parcos 9,8%.

São tantos casos que não caberíam em um único tomo: Claudia Lessin Rodrigues, Viviane Alves Guimarães Wahbe, Ana Carolina Vieira, Raquel Rodrigues Soares e tantas, tantas mais.

O feminicídio é uma realidade e uma cultura e não só no Brasil. Agir é o único caminho possível. Ligando 180 se a vítima for você ou a outra, escrevendo sobre se for escritora, legislando se estiver na política etc, etc. Use sua área de atuação para mudar essa realidade e essa cultura.

Aja!



  • Para ligar quando for preciso, por você ou por outra: 180, Central de atendimento à Mulher
  • Para saber mais: Lei Maria da Penha
  • 1.1.16

    "Cría cuervos, y te sacarán los ojos" ou "Proteger eternamente a cria pretensamente frágil será seu atestado de óbito"

    Para ler ouvindo: Música: Mamãe, não chore

    Para assistir depois: Crya Cuervos, de Carlos Saura, com Geraldine Chaplin. Aqui um trecho.


    Qual a semelhança entre o texto e o filme? A crença fictícia de Ana de que a morte dos pais é culpa dela. Não é. Assim como esse filho torto não é culpa da mãe. Só será se ela concordar em criar e sustentar um universo paralelo




    Para reflexão uma breve história.

    Mas poderiam ser duas, três ou mais. Poderiam ser mais leves ou mais pesadas. Envolver ou não agressões físicas ou verbais. Onde se lê filho pode-se ler filha. Todos negam (Que horror! O que os vizinhos vão pensar?), mas toda família tem um núcleo assim. Às vezes apenas não sabem.

    Uma mãe sofre agressões verbais do filho. Essas agressões, acompanhadas de furtos de pequenos objetos, dinheiro e joias progridem para agressões físicas. A mãe faz o registro de ocorrência mas desiste, coitado do filhinho... Não vai à delegacia quando é chamada e quando vai retira a queixa. O filhinho agressor continua em casa, alimentando agressões morais e físicas (cada vez mais intensas), depredando o patrimônio, o caixa e a autoestima da mãe. Em pouco tempo parará de trabalhar e passará a ser sustentado por ela, mesmo que já tenha passado dos 30. Geralmente esse filho também tenta isolar a mãe do relacionamento com o outro filho ou filha, com o resto da família e com os amigos.

    A mãe, por sua vez, nas poucas conversas que tem fora desse ambiente, atribui ao outro filho ou filha (a essa altura já expulso de sua casa, de sua família e de sua história) a falta de caráter e a violência daquele que ela acolhe: se uma mãe está falando mal do filho, ele deve ser três vezes pior do que isso, pensam os ouvintes. Está arruinada aí a primeira vida: a do outro filho. Que vira a ovelha negra sem voz. Ninguém ouve um filho que foi desacreditado pela mãe. A conta emocional, familiar, social e profissional que esse filho pagará é alta. E será cobrada em cada centavo.

    A mãe será desconstruída e destruída a cada dia, com agressões verbais ou físicas, com o desmonte do seu lar. Essa é a segunda vida perdida.

    O filho protegido perderá o contato com a realidade, perderá a empregabilidade ou a capacidade de empreender. Passará a ter uma visão da vida social, familiar e profissional totalmente distorcida, alimentada pela mãe. O que será desse filho quando essa mãe não estiver mais presente? Essa é a terceira vida destruída.

    Se você é o outro irmão

    Queridos e queridas: se você é outro irmão ou irmã, entenda que ninguém adoece sozinho e que aquilo não é só mau caratismo. A família toda está doente. Afaste-se para preservar sua integridade física e mental. Você precisará das duas para salvar sua mãe ou mesmo seu irmão ou irmã – isso, claro, se eles quiserem ser salvos. Às vezes não querem. É como dizem as aeromoças: adultos saudáveis, em emergências, devem colocar suas máscaras de oxigênio primeiro, para ter condições físicas de colocar as máscaras em seguida nas crianças, nos idosos e nos doentes.

    Se você é a mãe

    Acredite: você não está protegendo o seu filho (seja porque ele é o mais novo ou o mais frágil ou o que for). Você está condenando essa pessoa a impossibilidade de reintegração à uma vida social saudável. Esse mundo que você está alimentando em que um adulto tem cama, comida e roupa lavada de graça, em que aqueles que "incomodam" não podem estar presentes mesmo sendo seus amigos ou sua família não é real. Humilhar e diminuir o outro filho não tornará esse melhor, nem mesmo por comparação. E quando você não estiver mais presente? Como essa pessoa adulta, já passada da meia idade, vai aprender sozinha a lidar com as dificuldades e realidades do mundo? Você não está protegendo seu filho, está condenando. Pior, está condenando o outro também. E, acredite: você precisará do outro, porque essa doença, psiquiátrica ou não, cresce em escala progressiva. Você precisará de ajuda.

    O que fazer

    Não sou psiquiatra e cada caso é um caso. Mas algumas coisas são básicas. Sua integridade física e mental primeiro. Se a única forma de mantê-las for se afastando, afaste-se. Isso vale para a mãe e para o outro irmão ou irmã. Em seguida procure a orientação de um psiquiatra e de um advogado. Abra a situação para a família, não é vergonha nenhuma. Não faça nada sozinho. Mas faça alguma coisa.

    Relações abusivas não devem ser aceitas, prejudicam a todos e nunca acabam bem.