Pesquisar este blog

27.5.09

No corredor

Nina respira fundo, se concentra e, olhos fechados, enfia a chave na fechadura. Abre a porta num supetão de taquicardia, numa efusão de congelado-sorriso-social-semi-histérico sem esquecer – isso é por demais importante - , sem esquecer que tem que chegar de uma passada só até a lixeira, imaculada. E... ai, que susto!

Ele está lá. Descalço, cuecão e sem camisa. Que peitoral, ela pensa. Faço um estrago num desses.

Ele ri, meio constrangido, meio jogando charme. Não é amor, é esporte. Não é sexo, é esporte. Ela segura a gata numa mão, três sacolas na outra e o chaveiro no mindinho da mão esquerda. A mão que segura a gata. Só então ele percebe que está só de cueca. Ela de camisolinha. No corredor, na frente da porta do síndico.

- Quer uma ajuda?

“Quero. Me ajuda a tirar a camisola, depois me ajuda a arrancar a calcinha e aí me ajuda a entender o que é sexo selvagem.”

- Não, obrigada. Você é muito gentil.

- Tem certeza? Qualquer coisa... estou aqui – insiste ele, em franco discurso direto. Direto para os peitos dela.

Ela percebe a cueca. Ele, a camisola.

Rápido constrangimento. Mas o difícil mesmo é manter a língua dentro da boca e não propor:

- Sua casa, eu preparo o jantar, você abre o vinho. Hoje a gente brinca. Amanhã é outro dia.

“Que peitão, que bundão, que tes...”

- Olha, na verdade agradeço se você capturar a gata, que fugiu escada acima.

Ele captura a gata que fugiu escada acima. Na devolução, olhos nos olhos, qual é o seu nome mesmo?

- Pablo, sou argentino. Ninguém é perfeito – e sorri, com aquela boca perfeita.

- Então boa noite.

- Boa noite, então. Dorme bem com a gatinha.

- Dorme bem.

Fecham as portas lentamente. Ela mordendo os lábios sem perceber. Ele com a boca aberta, sem reparar. Hoje tem insônia no prédio.

23.5.09

Quem leva?

"Dos 50 primeiros finalistas do Prêmio Portugal Telecom de Literatura em Língua Portuguesa anunciados, em cerimônia no Consulado de Portugal no Rio, quase a metade está nas mãos de dois dos maiores grupos editoriais do País, Record (13 autores) e Companhia das Letras (12 autores. É um dado importante, considerando que a edição atual do prêmio teve 100 editoras inscritas, das quais apenas 13 chegaram a essa primeira lista de finalistas, da qual fazem parte premiados escritores como Milton Hatoum, colunista do Estado, o português Gonçalo Tavares, além de representantes da nova geração de autores - Daniel Galera e Carola Saavedra -, e um dos maiores nomes das artes plásticas no Brasil, Nuno Ramos, revelado também como autor em Ó, classificado como livro de contos."

"Os independentes finalistas são quase todos poetas. É um gênero cada vez menos presente no prêmio."

Leia completo aqui, na Verdes Trigos. Também na Verdes Trigos a lista dos 50 primeiros selecionados. Aliás, já leram o Rodrigo de Souza Leão? Muito bom.

E a Adidas?

O que será que tem a dizer a Adidas?

Desconfio sempre de quem torna pública festa fechada em que se entra com algum nível de "relacionamento" ou "influência". Lembram das boites dos anos 80 e 90 que tinham uma door (o que leva alguém a trabalhar sendo chamado de door?) que decidia quem entrava ou não em função do look e conceitos abstratos afins?

Não me soa bem. Mas essa é apenas minha modesta e inútil opinião...

Aguardemos o pronunciamento da Adidas.

19.5.09

Vesti Azul

"vesti azul
minha sorte então mudou
vesti azul, minha sorte então mudou..."




"me apareceu um brotinho lindo
que me convenceu, dizendo
que eu devia vestir azul,
que azul é cor do ceu e seu olhar tbm..."


Simonal entoando Nonato Buzar. Não tinha como ser melhor!

12.5.09

Desencontro

O reencontro inesperado.
Os olhares surpresos.
Ele ansioso - para que ela se vá.
Ela constrangida - por ter acreditado.
Meia dúzia de palavras vazias, estéreis; sorrisos polidos; um beijo não se sabe onde.
E se despedem.
Seria frugal, se não tão indigesto.

9.5.09

Hoje, corre que ainda dá tempo!

Hoje, a partir de 19h, no Bar Bukowski (Rua Álvaro Ramos, 270 - Botafogo / RJ), lançamento de pequenasBiografias NÃO-AUTORIZADAS, de Leonardo Marona. Editora 7 Letras. Vai lá.

3.5.09

Ele não anda, desfila.
Passos a meio metro do chão.
Flutua.

E se crê
aristocrático,
fleumático
um Dândi.

Em delírio, um nobre
- que mata por meio cobre
na verdade, tolo Dom Quixote

- só há nobreza em seus gestos nos sonhos
que habitam sua oca cabecinha

E ele pluma
pela rua, leve.
paira
nas alturas.


Decrépito
sombra de um passado
que não foi,
patético.