Pesquisar este blog

23.12.08

2009 - tepegonaesquina!

É isso aí, 2008 acabou. E valeu à pena? Não sei, não estou convencida. De nada.
Depois de dois suicídios próximos não consigo mais subir na escada para trocar a lâmpada. Vertigem, coisa que nunca tive.

A FL@P! deu certo, novidades vêm por aí.

Projetos pequenos e médios também, tudo já em produção, já saíram do rarefeito, frugal e frágil campo das idéias e intenções. Mas a matéria-prima é a palavra, essa criatura orgânica, frugal e fugidia, que escorrega pelas frestas, becos e rachaduras e se perde como os pés de meia e os guarda-chuvas que nunca mais encontraremos. Então Salve Senhores, Salve, que 2009 seja o ano de São Longuinho marcando presença mais que subcelebridade do Ego. E a palavra tenha passagem. Como expressão, como arte, como entretenimento, como ganha-pão.

Enumero tudo o que aconteceu e ficou para trás. Fiquei um pouco para trás também.

Mas consegui tomar algumas decisões tardias, mas ainda válidas. Por exemplo: disciplina no uso de certas palavras de ordem. São elas: Não, obrigada. Não. Já disse que não. Aaaaah cala a boca!

Disciplina é a palavra-chave (com ou sem hífen, diabos): palavra chave que tranca. É o que não vou fazer. Não mais a social com a tia chata, a prima vaca, o tio babaca, a velha preconceituosa, o vizinho racista e homofóbico. Sabe aquela história de que "se eu tivesse menos de 18 ou mais de 60 não diria bom dia a ninguém"? Então. Hoje sou essa interseção. Bom dia a ninguém. Arrogância e presunção natalinas são a salvação de todo final de ano.

Encerrei várias estórias. Joguei muita coisa e muita gente fora. Faxinão geral.

É isso aí: muitos sacos pra quem é de puxar. Réveillon para quem é de réveillon. Caninha da Roça pra quem é de pé no chão.

Um comentário: